sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Nas ruas

Com os passos molhados da chuva
Que contou minhas lágrimas
Que contou minha vida
Minhas aventuras, viagens e lutas
Moinhos de vento já não param mais minhas lanças
Fadas já são mais raras em minha Ilha do Nunca
Jamais encontrei o Portador do Anel
Mas, me tornei um Replicante dos outros
Implicante em mim mesmo

Elas já não são mais de tristeza
Elas já caminham comigo, em dias bons
Outros ruins
Elas formam o castelo cristalino
E olho o céu como olhava
A própria boca
Do amor maior do mundo
Escondido em cada esquina
Cada janela
Cada xícara de café
Amor de uma vida
Perdida em dias e rotinas, as vezes escolhidas
Vida
Ganha em poucas horas
Lágrimas, pela beleza

Por você
Que me investiga como espelho


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Escrevendo e 'poemizando'

Escrever e fazer poemas não te torna romântico ou alienado, apenas diz que você gosta de escrever e se expressar assim. Em um mundo racional, ver o espectro estético, literário ou fantástico do mundo não reduz, apenas é uma visão diferente com forças e fraquezas em algumas áreas; viver é viver com os anos e escolhas em nossas coisas, vê apenas por poucas vistas torna-nos escravos de nós mesmos, presos a utopia do que poderíamos ter sido: não o somos, não seríamos ou fomos, o mundo é concreto e nos esmurra, pode nos forjar apenas no mundo das idéias ou nos músculos do emprego que pegou no dia-a-dia, ou apenas poderíamos contar estórias... Entretanto, quando se vê o brilho de um leitor, de um poema e música criado por você dando sentido ao que quer que seja no outro, forcemos a nos observar aquelas concretudes além delas, sublimar ou pouco a vida cotidiana naquele tenro momento de beleza, busque isto e não se sinta alienado, apenas está combatendo com uma espada de lâmina forjada na alma do mundo.

Felicidade pilantra

Estar feliz é momento
É conquistar aquele sorriso
Dentro de você mesmo
Simples existir, já completo
Estar feliz é ser feliz, não há outro caminho
É estar naquela paz, mas, mesmo assim
Aventurar-se entre galáxias, mares, montanhas
Abraços, beijos e doces, ou coxinhas
É você, Proust, com aquela doce história dum infinito
Que logo acaba
Mas, é eterno enquanto dura
E vale mais no próximo e menos que o antigo
Estar feliz
Por simplesmente andar, passear e conversar
É ver a vida enquanto estamos vivos
Não há muito de filosofia dura e rígida de sistemas e estruturas
É filosofar com o que se tem e
É
Estar e ser
Feliz
Conjugado naquele mesmo momento
Em que você, torna-se um pouco de mim
Eu-no-mundo
Eu-estando


domingo, 26 de novembro de 2017

Pensamentos de Domingo 2

O segredo dos teus olhos, é a maré que eles me trazem

-------
As pessoas escolhem umas as outras
Mentira e bobagem esta coisa de afeto distribuído, como sorrisos bom dia
Você escolhe amores,amigos, inimigos
O lugar onde estou é o lugar onde caio, já dizia o velho grisalho
Então não venhas com insinceras despedidas desculpas, abraços omissões
Escolhemos com quem choramos e sorrimos
Com os olhos manhã,
O resto, meu amigo, é consequência
O nada, e o tudo.

------
Não posso deixar de amar algumas pessoas
Mas, isto não exclui o ódio, raiva e tédio
Amor não elimina as coisas ruins da vida, isto é paixão
E é uma doença
Amor deixa tolerável

Pensamentos de domingo 1

Quando me pego pensando sobre como sou inútil neste mundo, como estou confuso, lembro algo que uma amiga me disse uma vez: Ulisses também não queria sua aventura, sua intenção foi sempre voltar pra casa.
Se você está perdido, as vezes é caminhar e não o destino.



-----
Ser frágil não é o problema, não compartilhar sua fraqueza com quem importa o é. Ajudar é fortalecer o pouco que tem dando aos outros mesmo que apenas um momento, apenas a paciência de ouvir, é uma forma de amar
E ouvir é outra palavra, em nossos tempos de solitários nas multidões, para amigo.



-----
A maré nos engole, nos traga em nós mesmos para coisas, que nem estávamos preparados. Ela nos traz para terras distantes, nos leva por terras insólitas, sem mantimentos, companheiros ou bandeiras.
O navegante naufrago de si mesmo, vendo afundar a sua vida, pouco a pouco, pelo caminhar dos anos. Ele pode olhar melancólico, pode sorrir histericamente, pode ranger os dentes, mas, o navio continua lá, nas águas
Ele, porém, na maré
De pé
Na praia que convida a algo novo.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Sabedoria é dizer a coisa certa na hora certa que precisamos. Não vem com o tempo, mas, a oportunidade.

sábado, 18 de novembro de 2017

doutrina do pavor

Doutrina do Medo

Caçando entre os olhos dos outros
A verdade que não vejo em nós
Impossível encontrar a si mesmo
Tento descobrir nas suas opiniões, bravejando que sou
Independente
Dizendo em voz alta que não ligo, que nada afeta
Só que aonde não há medo do mundo
Há pavor do mesmo jeito
Está lá
Só maquiado
Em uma pretensa fortaleza moderna
Aonde você grita liberdades, direitos e suas ideias
O pavor ainda está lá
vivendo da opinião dos outros e buscando aqueles
Que te dizem não ser livre ou forte
Ah, o medo é libertador mais que isto
É saber os limites de si mesmo
E conhecer a si mesmo é um ganho quântico
Em mundos aonde todos se acham fortes o suficiente
Pra existir pra além de uns poucos anos
Poucos amigos
Poucos trocados e viagens no bolso
A Doutrina do Medo pede estarmos esperando a Felicidade
E não agarramos nosso destino com os dentes
Apenas ficar teorizando e não fazendo uma poesia
Trepando, mas nunca encontrando um único beijo
Que tenha valido a pena
Não, meu caro, o pavor não está apenas no bandido, escuro
Ou bichos escatológicos
ele está ali, te olhando, seu Fracasso
Seu carro quebrado, seu inútil namorado
Ele diz que você não deve ter medo, pois tem de ser forte
Mas, você nunca se perguntou pra quem?
Se todos estão morrendo, o que custaria
Um pouco de você numa conversa
Num trabalho, numa faculdade
O quanto custaria, por um dia
Ter medos, mas não pavores
E poder se mexer dois passos
Sem a Doutrina do Medo?


Disse o mergulhador no escafandro
No fundo do oceano de si mesmo.