sábado, 12 de maio de 2018

sábado sexta

Olhar pro lado e sentir que nada tem
Não tenho amigos que já não incomodei
Ou luzes que apago com minha sombra
Reduzo-me ao silêncio
Não quero incomodar
Mas, meu grito sai por palavras
Abafado, quieto
Ninguém se importaria
Em dois anos apenas lembrariam
Aonde aconteceu a despedida
Não, apenas uma lembrança
De um homem-máquina sem motor
Vendo-se como sucata
Atrapalhando vocês
Com sua estranheza
Palavras e modos
Desculpe, mais uma vez

----
Existo por apenas duas horas em cinco dias da semana. Na hora da aula ou explicar. De resto, sou uma parede quando não se olha.

----
"A coisa que te guarda
Que cria abismo na real
É a distância da tua boca da minha
Afetando, num inferno astral
Todo o contínuo espaço-tempo de nós juntos"

---
Entre o vento e uma boa coxinha
Existem mais mistérios que nos múltiplos
Cálculos estelares
De meus cálculos renais
Seguindo compassos
De dança cósmica
Entre um sorriso amarelo
Em crise depressiva
Ou um abraço
Que já nem sei mais perdido
Ou festivo
Ou mesmo, faustivo
Contratando socialmente com o Diabo
De um afago a uma indiferença
Entre o vento
E uma boa coxinha
Existe um mar de picuinhas e gracinhas
Numa aula perdida
Nos arredores de Curitiba

terça-feira, 1 de maio de 2018

Terça ainda vivo

Seu vestido amarelo estava
Bonito, como um mar
De estrelas
Na minha cabeça
Entre suas pernas
Entre seus passos
Via o mundo
Seu vestido estava amarelado
Agora
Já não mais ouvia o assobio no peito
Toda a vez que nos víamos


Antes, eu era o marinheiro buscando o tesouro
Agora
Pirata entre os rochedos,
Vasculhando Sete Mares, gastando meus Cinco Anéis e todo meu ouro
Aonde está a bússola que me mostrava o Norte?
Aonde está o Sul?

No firmamento, já não existe mais nada
E eu
Agora
Fiscalizava a vida alheia, nestes inúmeros perfis
Nesta inúmera alegria registrada
Desconfio que ela nem existiu
A imagem da beleza não é da alegria
Felicidade não se captura
Ela usa um vestido amarelo
Sorri pra você
Te pergunta as horas
E sai
Agora, não reconheço aonde termina a luz do sol
E aonde começa o meu crepúsculo

Estou amarelado
Pelo tempo, desbotado
Por mim, minhas próprias horas


----



em dois momentos era apenas
um cruzado, vagando por terras insólitas
galgando a minha Fé
queria encontrar Deus, mas, ele não me achava!
E pela ponta de minha espada, cruzava
Entre os diversos pontos daquela árida emoção
um ou dois momentos de Glória


"-Não, Eduardo, você não está lá... Nunca foi um cara destes!"
Engraçado, pensei que pessoas mortas não falassem
"-Minha morte é entre eu e você, jamais entenderá o que é ser vivo"
Talvez, talvez eu apenas esteja esperando do Céu... Como um cavaleiro
"-Cale a boca!"
E jamais voltei a ver aquilo de volta
joguei as chaves de minha consciência em algum canto
Tranquei-a com duas fechaduras
Irritei algumas pessoas e dei algumas aulas
Já não esperava muita coisa
Apenas em dois momentos era apenas
Um falido, vagando por terras insólitas
Galgando a minha Fé que já não existia firme
Não encontrava Deus, pois ele sempre esteve lá. Só que apenas olhava
E pela ponta de minha caneta, escrevia
Entre os diversos pontos daquela perdida emoção
um ou dois momentos com a Glória
----

-Você é muito triste e depressivo!
Talvez só esteja imitando o mundo. Alegria se acha em pouca gente, estupidez, vilania e fraqueza, o tempo todo.
Admitir sua mortalidade é um caminho pra se libertar
Pena que a liberdade seja dolorosa e responsável por si
Não mais soldados, não mais fantasmas
O fogo do dragão queima a sua carne e não mais do herói...
Basta trilhar e voltar agora, se ainda consegue dar alguns
Passos
-... Cala a boca

sábado, 28 de abril de 2018

Sábado Solidão

"Te amo, meu amigo
Mas, eu não me amo"

---
Cada vez mais, meus passos me perseguem pelas ruas
Perguntando quem sou
Respondo que eu era
E eles apenas aceitam, com o eco do passado


Os passos que já não tocam o solo
Mas, cantam melodia d'outrora
Som da memória

Me caçam pelas ruas,
Me toca em cada solo
Em rostos que procuro na multidão
Cheiros que contaram outros perfumes
Noites em que já não era mais tão frio

É a caçada eterna
Da memória
Perseguindo meus passos, que me perseguem
Cada
Passo

----
É pela lança de alguns heróis que realizo a aventura moderna
De dormir em confortável cama,
alimentar daquilo que nem crio
Apenas ideias funestas e sonhos perdidos
De um mundo de muito possível, pouco real
Mas, nas armas da fantasia existe algum sono
Algum momento de sonho
Algum caminhar sem se mexer
A tela apaga
A música termina
E teus olhos voltam ao normal


No final, todos somos estranhos em sermos tão normais
E patéticos

---
Compreender cada passo
Como o último
Que coisa estranha, ele sempre é
Pois, é perdido
Andando errante pela cidade
Vendo a paisagem do campo
Minha janela de espaçonave
É da condição humana demandar, perder
Perder-se


Encontrar-se, as vezes, em algum ato misterioso de outro
É nele que vejo o que posso ser
E por inveja ou carinho, o que quer sejam
Ah, me perco!
Mais um pouco
Entre cada um daqueles pequenos passos
Guardado em algum canto do Universo
Vazio, sem ânimo e furioso
Mas, único verso
Passo.

---m

domingo, 22 de abril de 2018

muito fraca

Pior faca na carne é ser comparado
A vida é um mal único
Em gotas, amarga
Distrações e sorrisos são bons, amenos,
Até, nos aquietam, por tempos em tempos
Mas, não
Eu sei o que você é pra mim
Talvez não devesse estar aqui
Meu silêncio teria agraciado tantas vidas
E sempre lhes penso, lhe peso
Ao ver o quanto incômodo trago
A cada vida que encho de tédio, amargura e rancor
E se, houver um dia um ser divino que tenha isto como proteção
Serei eu seu arauto, um tipo de santo
Insosso, raso e frágil
Como uma lâmina que nunca quebra
Porque já está corrompida por dentro
E já não liga
De se humilhar, se achar implacável consigo
"Um mané"
A comparação é ruim a um fraco
Ele já está entendiado
Cada prece de ajuda, já apática ou automática
No sistema social
Não, a vida é um mal único
Em gotas, amarga
Alguma distração, algum abraço, algum calor
De resto
Apenas o resto
O que não é escolhido, porque não tem nada
Porque não interessa.
Calma, apenas uma lamúria de um fresco
Vejo a peregrinação dos santos na estrada
E não me sinto mais um deles
Amém

negação

Negação
Em entrar em si mesmo e ver que só é apenas um monte de não
Desinteresse
Tédio
Negando a si mesmo, perdeu-se no mundo
Cheio de gente
Mas, já nenhuma lhe aparecia alguma coisa
Ou ele aparecia algo
Não parece
Não presta pra nada
Um simples desocupado, disse o professor
Está cheio de palavras, mas o sentido
O sentido não interessa
Não quer mais que interesse nada de si
Não faz por merecer nada
Apenas viciou-se, na negação
Ele a busca, a deseja ardentemente
Apenas para ver se está vivo
Ou já está morto
Dormindo, entre lençóis de sua casa
Que já não é mais sua
Já não é mais nada
Já não tem interesse
Nunca foi interessante
Apenas, peculiar
Não...
A angústia já lhe abraça todo o tempo
E estas palavras, seguram o pouco de vento
Que sobra soprando em seu peito
Não...
Já nega a si mesmo a tantos anos
Que o relógio já não mede nada
Apenas, apenas nada
Nem mapa ou perdido está
Viveu na inércia, trazia em sua lápide
Não fez nada
Não mereceu nada
Não interessou a ninguém
Mais do que a conversa ou a piedade descrita.


E agora,
Nega
Adeus

domingo, 15 de abril de 2018

esfinge

O poema se perdeu na rua 
ele se perdeu enquanto olhava para a cara da esfinge
ela me gritava e me puxava pelos olhos, cada pálpebra
pequenos riscos de fogo
o som que saia da minha boa, já não mais voz
meu coração batia, não era sangue
líquido frio
estava frio e zonzo, estava ali
mas, não estava 
Pro inferno, podia dizer
mas, meu espírito já não aguentava
já não estava
e cada penhasco que é cada rua movimentada
via apenas o ônibus pra se lançar
os olhos da esfinge me equilibravam
entre tortuosos de tontura 
a lembrança de si 
a escravidão de si 
o poeta se perdeu em alguma rua 
entre versos ridículos, de métrica falida e aquele beijo engasgado 
ele estava lá, lhe dei a mão 
ele não me vira 
era fantasma que arranhava

Fragmentos de domingo 19

Pois, a chuva está vindo, meu amor
e eu já não temo mais ficar molhado
perto de você, má amie
apenas a giro das tempestades e as órbitas
de planetas em mundos sombrios,
dos globos oculares
do peso dos corpos
e aquela escuridão torna-se
doce
e aquele fingimento
sadio
só que eu não estou na chuva
estou estranho
um estranho na perdição de si
Um estranho antes da chuva

----
"Há uma tendência a dificultar tudo"


Sonhos, abraços e beijos
Coisas agradáveis são difíceis,
Coisas mais sinceras
As aventuras são difíceis
A intolerância, a ignorância e estupidez
Gratuitas
Ainda assim, o tudo pode ser belo, estimulante
Ainda que minha vida esteja cinza
Parca
Perdida
Em algum momento ela estava lá
Viva.
Mas, a vejo agora numa vitrine
Um pedra perdida
Em si mesma
Alguns momentos ela ressurge, ela voa
E por estas linhas que você lê
E eu escrevo
Algo nasce em algum rio
Algo corre entre uma nascente e algum delta do engasgo
Por aí
Algo corre
O tempo escapa pelas mãos
E tudo fica difícil


A aventura se cala
A vitrine se despedaça
E eu já não sei quem olha no espelho
E quem já foi olhado


Olha, uma pequena luz
Perdida em algum lugar
Belo, estimulante e moral
Apenas sentimentos de um desocupado bardo

-----
Escondi uma pérola aos porcos
Aos poucos
Era um deles